Protetores Pintura

A pintura industrial é dentre as técnicas anticorrosivas existentes, uma das mais utilizadas e difundidas, principalmente na proteção do aço. E a maioria dos revestimentos por pintura são orgânicos e compostos por um esquema que envolve três camadas de tintas: tinta de fundo, tinta intermediária e tinta de acabamento. E este é desenvolvido em função das condições de exposição e de trabalho dos equipamentos e das estruturas. Para proporcionar a proteção dessas camadas, temos os Protetores Pintura, fabricados pela Union Rubber.

A corrosão consiste na deterioração dos materiais pela ação química ou eletroquímica do meio.

 pc30-fita-amarelaAtravés do processo corrosivo, o material metálico passa da forma metálica, energeticamente metaestável, à forma combinada (forma iônica), energeticamente mais estável, resultando em desgaste, perda de propriedades, alterações estruturais, etc.

 A corrosão é um processo que corresponde ao inverso dos processos metalúrgicos de obtenção do metal e pode ser assim esquematizada.

 Uma pintura bem feita e, com tinta e equipamentos de qualidade certamente durarão mais, porém existem diversos fatores que influenciam em seu desgaste, perda de qualidade e até mesmo a perda total da pintura.

De uma forma geral, os processos corrosivos podem ser classificados em dois grandes grupos, abrangendo quase todos os casos de deterioração por corrosão existente na natureza.

Estes grupos podem ser assim classificados: Corrosão Eletroquímica e Corrosão Química:

 CORROSÃO ELETROQUÍMICA

 Os processos de corrosão eletroquímica são os mais frequentes na natureza e se caracterizam basicamente por:

 -Realizarem-se necessariamente na presença de água líquida;

– Realizarem-se em temperaturas abaixo do ponto de orvalho, sendo a grande maioria na temperatura ambiente;

 – Realizarem-se devido à formação de pilhas de corrosão.

Em face da necessidade da água líquida, na maioria dos casos, para formação do eletrólito, a corrosão eletroquímica é também denominada corrosão em meio aquoso.

 Como conseqüência do funcionamento das pilhas tem-se a reação de oxidação em um local e a reação de redução em outro, havendo um deslocamento dos elétrons envolvidos entre os dois locais.

 CORROSÃO QUÍMICA

 Os processos de corrosão química são por vezes denominados corrosão ou oxidação em altas temperaturas. Estes green-tapeprocessos são menos frequentes na natureza e surgiram basicamente com a industrialização, envolvendo operações em temperaturas elevadas.

Tais processos corrosivos se caracterizam basicamente por:

– Realizarem-se necessariamente na ausência de água líquida;

– Realizarem-se, em geral, em temperaturas elevadas, sempre acima do ponto de orvalho;

 – Realizarem-se devido à interação direta entre o metal e o meio corrosivo, não havendo deslocamento de elétrons, como no caso das pilhas de corrosão eletroquímica.

 Como na corrosão química não se necessita de água líquida, ela é também denominada corrosão em meio não-aquoso ou corrosão seca.

 A Union Rubber atua no ramo de fabricação de equipamentos industriais e temos a solução para seu problema em relação á Protetores Pintura. Atuamos com seriedade e qualidade no que fazemos de melhor, estabelecendo um padrão de qualidade que atende aos mais exigentes requisitos do mercado.

 Existem alguns fatores incômodos em relação à pintura e seu desgaste que chamamos de corrosão.

As formas segundo as quais a corrosão pode manifestar-se são definidas principalmente pela aparência da superfície corroída, sendo as principais:

– Corrosão uniforme: quando a corrosão se processa de modo aproximadamente uniforme em toda a superfície atacada. Esta forma é comum em metais que não formam películas protetoras, como resultado do ataque;

 – Corrosão por placas: quando o produto de corrosão forma-se em placas que se desprendem progressivamente. É comum em metais que formam película inicialmente protetora, mas que, ao se tornarem espessas, fratura e perde aderência, expondo o metal a novo ataque;

  – Corrosão alveolar: quando o desgaste provocado pela corrosão se dá sob forma localizada, com o aspecto de crateras. É freqüente em metais formadores de películas semi protetoras ou quando se tem corrosão sob depósito, como no caso da corrosão por aeração diferencial;

 – Corrosão por pite: quando o desgaste se dá em forma muito localizada e de alta intensidade, geralmente com profundidade maior que o diâmetro e bordos angulosos. A corrosão por pite é freqüente em metais formadores de películas protetoras, em geral passivas, que, sob a ação de certos agentes agressivos, são destruídas em pontos localizados, os quais tornam-se ativos, possibilitando corrosão muito intensa. Exemplo comum é representado pelos aços inoxidáveis austeníticos em meios que contêm cloretos;

  – Corrosão intergranular ou intercristalina: quando o ataque se manifesta no contorno dos grãos, como no caso dos aços inoxidáveis austeníticos expostos a meios corrosivos;

 – Corrosão transgranular ou transcristalina: quando o fenômeno se manifesta sob a forma de trincas que se propagam pelo interior dos grãos do material, como no caso de corrosão sob tensão de aços inoxidáveis austeníticos.

 Para resolver problemas como esses, a Union Rubber fabrica seus Protetores Pintura, que dão logevidade à pintura industrial, evita corrosão da matéria sempre proporcionando sua qualidade por muito mais tempo que o esperado sem qualquer preteção.